Saiba cortar gastos desnecessários no departamento de TI

Saiba cortar gastos desnecessários no departamento de TI

Descubra três situações que custam caro para a sua empresa

Cada encerramento de mês, início de trimestre ou planejamento de projeto é uma oportunidade para falar sobre otimização de custos. O departamento de TI, cujo investimento deve chegar a US$ 3,8 trilhões em 2019, está no foco das empresas que desejam cortar gastos desnecessários.

Não podemos esquecer, porém, que as despesas com tecnologia têm a função de impulsionar negócios no cenário da transformação digital. Assim, simplesmente reduzir a infraestrutura computacional e os serviços associados a ela representaria um boicote ao próprio posicionamento no mercado.

Mas você deve estar se perguntando: como, então, vou conseguir abater algumas cifras do meu orçamento sem perder qualidade operacional?

Na verdade, não se trata de nenhum segredo. Você precisa apenas prestar atenção no desembolso que não é mensurado atualmente pelo setor. Esse montante costuma gerar um prejuízo silencioso para as organizações e representa a sua chance de economizar com inteligência.

Cortando gastos no seu departamento de TI

Tanto a falta de informações estratégicas quanto uma postura negligente em relação à segurança da rede corporativa acabam resultando em gastos desnecessários. A seguir, vamos revelar problemas comuns ao dia a dia do departamento de TI que são responsáveis por um rombo na receita das empresas.

Se a pressão para diminuir custos já chegou até aí, continue lendo! Você entenderá qual é a melhor maneira de estancar o desperdício de dinheiro no seu parque de máquinas.

Gastos desnecessários com licenças de software

O gerenciamento de ativos intangíveis, como licenças de software, talvez seja um dos maiores desafios enfrentados pelo departamento de TI. Quando não há controle sobre os programas que são instalados no parque de máquinas, começam as despesas indevidas.

Vale citar a pirataria como exemplo, capaz de gerar multas em auditorias de fornecedores e processos judiciais severos. Um software baixado ilegalmente por um funcionário, afinal, é responsabilidade da empresa.

Existe, por outro lado, o gasto com licenciamento em excesso. Ou seja, casos em que licenças de software ficam ociosas na rede corporativa. Isso acontece pelos mais diversos motivos, desde a redução de equipes até mudanças de estratégia. Como consequência, você renova contratos inúteis e até mesmo adquire sistemas que já possui.

Para acabar com esses problemas, é importante realizar comparativos entre as licenças de software adquiridas e instaladas. Certifique-se de que não ocorram investimentos redundantes e nem falta de compliance no seu ambiente.

Gastos desnecessários com equipamentos

Reclamações pelo baixo desempenho das máquinas, solicitações de compra para equipamentos, paradas no expediente por indisponibilidade dos sistemas administrativos. Sem dúvida, as situações citadas são rotineiras para a sua TI.

O maior erro dos gestores é esperar que as falhas apareçam, ao invés de providenciar manutenções preventivas nas estações de trabalho. Dessa forma, você termina por reduzir o ciclo de vida dos componentes de hardware. Gasta-se com a aquisição de novas peças, com a hora perdida pelo funcionário, com os resultados que não são entregues ao cliente-final.

Efetuando avaliações periódicas de desempenho, as empresas conseguem identificar contextos problemáticos – como a sobrecarga de peças. Analise a necessidade de upgrade de processador, RAM e HD antes que os mesmos sejam danificados.

Às vezes, a solução pode ser tão simples quanto realocar computadores entre setores que possuem diferentes demandas de performance.

Gastos desnecessários com falhas de segurança

Conforme a BSA | The Software Alliance, surgem oito ameaças de malware a cada segundo. O valor despendido nas empresas para se recuperarem desses ataques cibernéticos é igualmente alarmante: cerca de 2,4 milhões de dólares.

Você precisa de mais algum número para assimilar quão caro custam as brechas de segurança na sua rede?

Entre as inúmeras medidas de proteção a serem tomadas, recomendamos que você mantenha seus sistemas operacionais sempre atualizados. Novas versões buscam, justamente, corrigir bugs e vulnerabilidades.

E lembre-se de que as ameaças não são somente externas. O vazamento de informações sensíveis por parte de agentes internos também é fonte de prejuízo financeiro. Imagine perder um diferencial competitivo, feito inovações e processos! Portanto, não deixe de monitorar atividades em pontos-chave do parque de máquinas, como impressoras e entradas USB.

Otimize investimentos de TI com o NetEye Adam

Pode parecer frustrante, mas nós precisamos lhe contar. Existem gastos desnecessários no seu departamento de TI e você pode acabar com eles facilmente. Para tanto, basta ter as informações certas em mãos.

É isso que o NetEye Adam propõe: centralizar os dados do seu parque de máquinas em uma aplicação web que pode ser acessada a todo o momento. Nossa ferramenta automatiza o seu inventário de hardware e software, sistematiza contratos da área de tecnologia, além de promover o controle de licenças.

Com um dashboard que apresenta seus números de maneira dinâmica, você será capaz de analisar oportunidades de melhoria e redução de custos. Saiba, em um clique:

  • Qual é o investimento total da empresa com contratos de software;
  • Qual é o histórico de investimento da empresa em software, com base em períodos;
  • Quanto você deve investir para regularizar o seu parque de máquinas.

Nós desafiamos você a testar o Adam gratuitamente e eliminar os três tipos de gastos desnecessários que citamos nesse artigo. Serão 14 dias para descobrir programas piratas, componentes sobrecarregados, sistemas desatualizados e outros fatores que tanto pesam no orçamento. Depois venha nos contar qual foi o impacto da experiência para o seu ambiente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*