Por que a sua empresa deve apostar em monitoramento de rede

Por que a sua empresa deve apostar em monitoramento de rede

Conheça 5 vantagens de monitorar a rede local e saiba como aplicar a prática no seu ambiente

Se os gestores de TI pudessem deixar um olho em cada equipamento que compõe sua infraestrutura, sem dúvida, dormiriam mais tranquilos. O conceito de monitoramento de rede é basicamente esse: ter a capacidade de acompanhar todas as atividades que ocorrem no parque de máquinas.

E não estamos falando de uma preocupação que se restringe ao setor de tecnologia das empresas. Muitos dirigentes querem saber o que se passa nas estações de trabalho, como o orçamento está sendo investido, quais são as possibilidades de melhoria existentes, etc. Afinal, os sistemas da informação são um ponto crítico para o funcionamento de qualquer negócio.

Quem responde pela operacionalidade do ambiente computacional, no entanto, sempre será o profissional da área. Não espere os transtornos acontecerem para tomar uma atitude em relação ao monitoramento! Entenda, com a leitura do nosso artigo, por que (e como) você deve apostar na prática.

Como funciona o monitoramento de rede?

Dependendo do seu cargo ou especialidade, é possível que tenha perspectivas diferentes sobre a definição de monitoramento. Você pode assimilá-lo como uma forma de mensurar o desempenho dos recursos corporativos, ou mesmo analisar o comportamento dos usuários.

De maneira geral, trata-se de um processo de controle contínuo que lança mão de ferramentas e métodos para manter estável a rede interna. A prática é aplicada, em outras palavras, com o objetivo de evitar problemas nos componentes físicos e virtuais da empresa. São monitorados computadores, servidores, sistemas operacionais, entre diversos dispositivos e aplicações.

Ao fiscalizar o ciclo de vida de tais elementos, o administrador da rede consegue detectar falhas e vulnerabilidades com antecedência. Dessa forma, o monitoramento consiste em uma medida preventiva que visa rentabilizar os ativos de TI. O fato de contar com um histórico do seu parque também permite que você rastreie movimentações passadas e projete ações futuras.

Essa tarefa silenciosa impede que a atividade-fim da organização seja negativamente impactada pela tecnologia, reduzindo ao máximo incidências de downtime e custos com manutenção.

5 motivos para apostar em monitoramento de rede

Provavelmente, o seu setor de TI já percebeu que existe uma demanda por monitoramento de rede. É simples de visualizar como a falta de informações a respeito do parque de máquinas prejudica o seu planejamento estratégico. Mas você parou para pensar nos efeitos positivos da prática sobre a rotina das equipes técnicas, dos usuários e da empresa como um todo?

Veja como esse esforço vai lhe ajudar a atingir parâmetros de qualidade em termos de serviços e operação, além de aumentar a lucratividade da infraestrutura de TI:

Aprenda a direcionar investimentos em contratos de TIC

É comum que os gestores de TI não sistematizem contratos de telecom, garantia de equipamentos, manutenção de programas, entre outros. Portanto, possuem dificuldade na hora de decidir sobre a renovação de serviços ou aquisição de novas peças. A ausência de conhecimento sobre o próprio ambiente resulta, com frequência, na falta de compliance e gastos redundantes.

Assimilar como os recursos do setor estão sendo investidos é o primeiro passo para promover cortes de gastos, sem gerar prejuízos ao funcionamento da infraestrutura. O monitoramento vai evidenciar, justamente, as oportunidades de economia que se apresentam no ambiente de trabalho.

Para ilustrar, podemos citar aqueles componentes de hardware esquecidos em um canto da empresa, os créditos de Skype que são debitados mensalmente sem que ninguém os aproveite, as licenças de software que estão sobrando em máquinas antigas. Situações como essas podem ser interrompidas com facilidade, desde que haja acesso às devidas informações.

Ganhe velocidade na área de suporte técnico

Imagine se, ao realizar um atendimento, a equipe de suporte pudesse consultar as configurações e os antecedentes da máquina problemática. Os técnicos não dependeriam do usuário para compreender as circunstâncias, poderiam investigar a fundo a disfunção e aplicar medidas mais assertivas para contê-la.

É o benefício que o monitoramento de rede traz para essa área. Somada a uma ferramenta de acesso remoto para empresas, a prática contribui para reduzir o tempo de resolução dos chamados, e, por consequência, as filas de espera para atendimento. Em última instância, os colaboradores não ficarão pendurados por conta de computadores indisponíveis.

No dia a dia do suporte técnico, o monitoramento se materializa a partir do inventário de TI. Inserido em um programa de gestão de ativos de TI, ou IT Asset Management, o mapeamento do patrimônio tecnológico garante que sua equipe tenha acessos a dados verídicos e atualizados sobre o parque de máquinas.

Identifique perdas de produtividade entre os usuários

Em terceiro lugar, vale destacar que o monitoramento de rede também serve para fornecer indicadores de produtividade aos supervisores. Quando a qualidade do trabalho não está atendendo às expectativas ou as entregas começam a atrasar, a empresa pode suspeitar que há perdas de foco durante o expediente.

Só será possível identificar e corrigir essas posturas, entretanto, com o respaldo de fatos. Mostra-se fundamental perceber como os colaboradores estão utilizando sua principal ferramenta de trabalho: o computador. Verifique se o usuário passa muito tempo em sites pessoais, ou, inclusive, se a estação manifesta períodos longos de inatividade.

A reeducação comportamental das equipes passa pelo estudo do cenário das distrações e empecilhos que estão boicotando a performance coletiva.

Aumente a vida útil dos ativos de hardware

Quantos computadores seriam salvos com um simples upgrade de hardware… Monitorar o desempenho dos componentes nas estações de trabalho é um meio de evitar que os mesmos operem acima da própria capacidade, terminando danificados por sobrecarga.

Preste atenção no aproveitamento de HD, memória RAM e processador nos diferentes setores da empresa. Certamente, você encontrará subutilização em alguns locais e uso excessivo em outros. Que tal realoca-los para otimizar recursos? Ou então realizar uma manutenção preventiva onde claramente haverá complicação no futuro?

Não deixe que os equipamentos se tornem peso de papel antes da hora. O monitoramento de rede aumenta o rendimento das máquinas e sua vida útil. No final das contas, a prática ainda diminui o número de incêndios que a TI precisa apagar.

Proteja-se contra o vazamento de informações sensíveis

Por último, o monitoramento representa uma medida de segurança altamente recomendada para empresas de diferentes portes. Posto que a infraestrutura de TI conduz e armazena fluxos de informações vitais para os processos organizacionais, sua proteção deve ser prioridade máxima.

Monitorar pontos-chave da rede corporativa vai evitar que ela seja prejudicada por descuido dos usuários ou mesmo más intenções. Alguns exemplos de comportamentos que ameaçam a integridade da rede interna são: navegação negligente na internet, falta de atualização nos sistemas operacionais e instalação de programas piratas.

Você poderá interceptar as ações comentadas antes que o mal se alastre. Livre-se de rombos financeiros com o sequestro de dados por ransomware, colaboradores enviando informações para a concorrência e até mesmo multas em auditorias de software.

Aplicando o monitoramento de rede na sua empresa

Agora que já lhe explicamos cinco bons motivos para apostar em monitoramento de rede, você quer saber como dar início à prática? De fato, é humanamente impossível cuidar de tantas variáveis simultaneamente. Uma ferramenta especializada em monitoramento será seu braço direito para automatizar e aplicar as seguintes medidas:

  • Fiscalizar impressões, quais arquivos estão sendo impressos e por quem;
  • Bloquear entradas USB em máquinas que não precisam do recurso;
  • Acompanhar criações, modificações e exclusões em pastas que contém informações sensíveis;
  • Monitorar a data de contratação e validade de serviços;
  • Avaliar a performance de componentes como HD, memória RAM e processador;
  • Classificar e bloquear acessos indevidos: sites ameaçadores e conteúdos impróprios para o expediente;
  • Determinar horários para a utilização de redes sociais e outros sites de entretenimento;
  • Adotar atendimento via acesso remoto, para que o técnico consiga visualizar os problemas do usuário;
  • Detectar os ativos de hardware e software conectados na rede interna, bem como suas configurações;
  • Executar comparativos entre as licenças de software adquiridas e instaladas no parque de máquinas;
  • Mensurar quanto tempo os colaboradores passam em cada software corporativo.

Achou o conteúdo útil? Comente sua opinião sobre o monitoramento de rede e deixe dúvidas logo abaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*